PROGRAMA DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA DO GOVERNO FEDERAL: FARRA DE DISTRIBUIÇÃO DO BOLSA FAMÍLIA EM ITAPURANGA?

Três irmãos da Gestora Local do Programa e vários funcionários da Prefeitura são agraciados com o Benefício Social, que serve para socorrer os mais necessitados.

 

 

 

Criado nos anos iniciais da primeira década do século XXI, o Bolsa Família –Programa de Transferência de Renda do Governo Federal, que está cimentado na Lei nº 10.836, de 09 de janeiro de 2004, e regulamentado pelo Decreto nº 5.209, de 17 de setembro de 2004, tem como objetivo socorrer famílias brasileiras que estão em situação de pobreza ou extrema pobreza, certo? No que toca ao município de Itapuranga/GO, esse preceito de transferência a quem realmente necessita parece não estar sendo levado muito a sério.

 

 

Conto o caso: é que, sob a gestão da Primeira Dama do Município e Secretária da Assistência Social da Localidade ESTHER LORRAYNE MORAIS DE ARAUJO MELO (Esther Melo)– que é esposa do Prefeito da Cidade, JABEZ CARDOSO DE MELO (PHS)- o Programa Bolsa Família parece estar, também, sendo direcionado a atender interesses questionáveis, quando cotejados alguns Benefícios e os seus destinatários; Familiares (três irmãos) e funcionários da Prefeitura ou de outros espaços públicos -que têm ganhos considerados razoáveis e que não permitem entender que estas pessoas estão em situação de pobreza ou extrema pobreza- são agraciados com a citada Transferência de Renda, vale ressaltar que a pesquisa fora feita no Portal Transparência do Governo Federal, compreendendo o início do Governo Jabez Cardoso de Melo (janeiro de 2013) até junho de 2016, mas que, algumas pessoas que aqui serão citadas ainda continuaram sendo privilegiadas pelo referido Programa Assistencial.

 

 

Assim: o que é curioso e até intrigante é que, sendo Esther Melo a Primeira Dama do Município, Secretária da Assistência Social e Gestora do Programa Bolsa Família, fica a indagação: quem mesmo fiscalizaria quem nesse Processo? A Secretária da Assistência Social ou a Gestora do Bolsa Família? Sabe-se que ambas têm o poder e a obrigação de fiscalizá-las mutuamente. Mas, e quando a Secretaria da Assistência Social e a Gestora do Programa Bolsa Família se resumem em uma única pessoa, que é o caso de Esther Lorrayne Morais de Araujo Melo? Se não há impedimentos legais para tal fato, não deveria residir aí o respeito para com o preceito da moralidade referente a tal tema?

 

 

Agora, o que surpreende mesmo nessa trama é que, Esther Melo, enquanto gestora local do Programa Federal de Transferência de Renda, se não autorizou, ao que se nota, não coibiu a participação (como beneficiários do Bolsa Família) de seus três irmãos, vejamos: KALLEY MORAIS DE ARAUJO é agraciado com a Transferência de Renda desde abril de 2016; KALLEBY MORAIS DE ARAUJO –que é funcionário da Prefeitura, via processo seletivo- é beneficiário desde outubro de 2015, já a sra. STHARLLEY MIERELLY MORAIS ARAUJO –que é funcionária do Vapt-Vupt/Itapuranga e que aufere um vencimento mensal no valor de 4 mil e 324 reais e que é esposa do cantor Leandro Costa- é beneficiária do Bolsa Família desde dezembro de 2014.

 

 

 

Outro caso questionável, é o fato da Assistente Social, DIONICE MARIA RODRIGUES -que atuou no CRAS no ano de 2014, até recentemente, com um salário de 1 mil e 955 reais e que hoje, é gerente de habitação com um vencimento  mensal de 1 mil 660 reais- ter também recebido o benefício em questão. Com tal profissão e salário, a citada senhora se enquadraria na linha de pobreza ou extrema pobreza, requisitos recomendados como critérios para a adesão ao mencionado Programa Federal?

 

Outra funcionária da Prefeitura que também figura como beneficiária do Bolsa Família desde janeiro de 2013 é, MARTA ROSA DE JESUS que, antes, exercia função de Assistente Administrativa do referido Programa em Itapuranga, via contrato, desde 2014, com um salário de 1 mil 438 reais. Marta, hoje é Assessora Especial Geral, recebendo mensalmente 938 reais.

 

 

Na mesma linha, a Ex Coordenadora do CREAS (desde 2014), LEILA RIBEIRO DE SIQUEIRA, e que hoje é pedagoga recém-concursada do Município itapuranguense -tendo, antes, um vencimento de 1 mil 955 reais e, atualmente, na condição de pedagoga recebendo um salário base de 1 mil e 740 reais- também é listada como beneficiária do Bolsa Família desde janeiro de 2013. Outra senhora em condição semelhante (funcionária do Paço itapuranguense desde 2014) que consta como beneficiária do Bolsa Família no mês de janeiro de 2016, é LARA DALILA DO NASCIMENTO GOBBO REIS que, atualmente, exerce, via Contrato, a função de Assistente Administrativa do Bolsa Família, obtendo um vencimento mensal de 1 mil 438 reais.

 

 

Caso também tamanho família, se assemelhando ao de Esther Melo é o da pensionista Estadual e que até a pouco exerceu, via contrato, a função de professora P3 do Município de Itapuranga, tendo um salário (acrescidas as horas extras) que chegava a 2 mil 556 reais, é o de MARLI CARDOSO TAVARES OLIVEIRA. Ela, além de ser mãe da ex-operadora do Programa, THAISA CARDOSO OLIVEIRA MOTA   -que é esposa de José Neto, filho de Lucas Melo, que é irmão do Prefeito Jabez Melo- recebe o Bolsa Família desde dezembro de 2013. Vale lembrar que Marli Cardoso, além de receber uma pensão mensal de 4 mil 970 reais, hoje, é esposa do proprietário/fundador do Supermercado Marçal. Consta sob a guarda/responsabilidade de Marli Cardoso os nomes de cinco pessoas, que lhes dá guarida para que ela receba o benefício do Programa de Transferência de Renda do Governo Federal.

 

 

Ainda quanto à matriarca Marli Cardoso, há que se ressaltar que sua filha Thaisa Cardoso Oliveira Mota, que hoje reside nos EUA foi Operadora Master, via contrato, do Bolsa Família itapuranguense desde fevereiro de 2013 até novembro de 2015, período coincidente com alistamento no Programa, tanto de sua mãe quanto de seu irmão, RANDER CARDOSO DE OLIVEIRA, que recebe o Bolsa Família desde junho de 2014. É importante ressaltar que, em um primeiro momento (há pouco tempo), esse mesmo nome figurava como dependente de Marli Cardoso, dando-lhe respaldo para que ela fosse beneficiaria do mencionado Programa. Agora, conforme o Portal da Transparência, Rander Cardoso de Oliveira tem sob sua guarda, amparando o recebimento do Benefício, cinco pessoas com o sobrenome Oliveira.

 

 

Na mesma esteira familiar, EDMAR CARDOSO TAVARES, que é irmão de Marli e tio de Rander Cardoso e Thaisa, a antiga Operadora Master do Programa, aparece como beneficiário do programa Bolsa Família até o final do último semestre. Sob a guarda de Edmar Cardoso Tavares, que é um senhor de idade mediana (40 anos), aparecem quatro nomes de dependentes que, até então lhes assegurou o Bolsa Família.

 

 

Por fim, voltando à questão de funcionária da Prefeitura, que é beneficiária do Bolsa Família, IVANA PRIMA DE SOUZA, que antes exercia a função de Diretora de Divisão no Paço itapuranguense e, hoje, é Assistente Administrativa do Vapt-Vupt da Cidade e que, devido a gratificação, acumula um salário de 1 mil 699 reais, recebe desde janeiro de 2013 o Benefício provindo do Programa Bolsa Família.

 

 

Diante de tantos detalhes e dúvidas, a reportagem tentou entrar em contato, via dois números de celulares, com a Gestora Esther Melo, para que ela pronunciasse sobre o caso em conto. Não obtendo sucesso, visto que as chamadas ao telemóvel da Primeira Dama, Secretária da Assistência Social e Gestora local do Bolsa Família, só caíam na caixa postal do aparelho, o repórter enviou, as 20:58h, mensagem textual via aplicativo WhatsApp. Esther Melo a visualizou, mas, até o fechamento da matéria (23:34h) não havia devolvido nenhuma resposta aos questionamentos que foram feitos a ela.

 

 

Leia abaixo a íntegra do texto direcionado à Primeira Dama e Gestora local do Programa Bolsa Família Esther Lorrayne Morais De Araujo Melo (Esther Melo):

 

“Esther Melo, boa noite. Sou o Divino Magalhães e tenho uma matéria a ser publicada, que trata sobre possíveis irregularidades na concessão de Bolsas Famílias no âmbito do Município de Itapuranga.

 

Exemplo: pessoas com vencimentos mensais consideráveis e q recebem o Benefício; funcionários da Prefeitura e outros Espaços Públicos, e até mesmo pensionista do Estado tendo acesso ao Bolsa Família; seus três irmãos sendo agraciados com a citada Transferência de Renda.

 

 

Assim, lhe indago enquanto Gestora do referido Programa Federal em Itapuranga: o que você tem a dizer a respeito do tema? Você tem informações sobre as possíveis irregularidades? Você entende ser normal seus irmãos fazerem parte, sendo beneficiários, do Bolsa Família, visto que, vc é a Gestora do Programa? Você averigua todas as informações e nomes antes da Operadora Master enviá-los ao Ministério do Desenvolvimento Social-MDS? Por fim, vc toma conhecimento dos relatórios de triagens e os averiguam p q ñ hajam adulterações? Constatadas as possíveis irregularidades aqui denunciadas, o q pretende fazer?”

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
Visitante número: